Desenvolvendo um estilo próprio!

Por: Gabi Tozati - 03/07/2020
Coluna

 

Olá! Meu nome é Gabi Tozati e sou ilustradora freelancer. Minha área de atuação dentro do mercado de ilustração está voltada majoritariamente para projetos editoriais, didáticos infantil/infanto-juvenil e design de personagens. Quando vou falar sobre minha jornada no mundo da arte e como estabeleci minha “marca”, é quase impossível deixar de fora tudo aquilo que me inspirou e que me impulsionou a tentar. Esses pontos foram totalmente cruciais para mim, já que me fizeram refletir, desde muito cedo, o porquê de eu ser tão atraída por histórias como Turma da Mônica ou desenhos animados como Os Padrinhos Mágicos, Pokémon ou Pucca.

Se parar para pensar, o que mais se destaca nessas mídias é a diversidade de efeitos visuais/conceituais que nos despertam sensações totalmente distintas enquanto os consumimos. E isso não se reduz apenas a desenhos animados, estou usando como exemplo por terem sido meu primeiro contato com essa ideia.

https://inspirarte.art.br/Content/assets/images/coluna/Coluna-Gabi-Tozati/1.png

“Style Challenge” feito com minha personagem Cleo em 2016.

Mas afinal, o que é um “estilo artístico”? São exatamente esses elementos visuais e conjunto de decisões que nos permitem identificar facilmente qual a sua origem. Para artistas independentes se torna cada vez mais importante que desenvolvam uma marca para que se destaquem em meio a essa gama gigantesca de outros artistas, assim alcançando oportunidades de trabalho e maior reconhecimento.

Essa, apesar de ser a parte mais especial na jornada, é também a maior dificuldade para a maioria dos iniciantes. Não é à toa que se torna um assunto tão discutido e ao mesmo tempo, tão difícil de se responder diretamente. O estilo artístico está intrinsicamente ligado à identidade do artista, ao contexto no qual ele é inserido e às vivências ao longo de sua vida. Não existe qualquer fórmula ou solução direta para encontrar essa marca. É uma construção gradativa e que, muito provavelmente, nunca sequer chega no fim mesmo para profissionais.

Comecei citando alguns desenhos animados que gostava quando criança, porque é esse tipo de referência que nos auxilia no desenvolvimento do estilo, assim como as músicas que ouvimos, pessoas que conhecemos, filmes que consumimos e livros que lemos eventualmente nos moldam e impactam na nossa personalidade. O estilo pessoal do artista é uma junção de pedacinhos de tudo que ele coletou na sua caminhada até aqui. E ainda existe mais estrada pela frente! Estamos constantemente experimentando, desafiando regras, procurando soluções e o nosso estilo segue junto.

https://inspirarte.art.br/Content/assets/images/coluna/Coluna-Gabi-Tozati/2.png
https://inspirarte.art.br/Content/assets/images/coluna/Coluna-Gabi-Tozati/3.png

 

https://inspirarte.art.br/Content/assets/images/coluna/Coluna-Gabi-Tozati/4.png
https://inspirarte.art.br/Content/assets/images/coluna/Coluna-Gabi-Tozati/5.png

A evolução do meu estilo na construção de personagens.

Para os iniciantes, é recomendado começar o mais próximo da realidade possível. Estudar proporção, dimensão, luz/sombra, anatomia, profundidade... Todas as técnicas cruciais para entender sobre nossa realidade para depois desconstruí-la. É importante conhecer as regras antes de quebrá-las. Tentar estabelecer um estilo próprio sem ter conhecimento básico de como as coisas funcionam pode ser mais desmotivador do que estimulante.

Não é fácil e é completamente assustador começar a desvendar esse universo onde as possibilidades são infinitas e não palpáveis. Mas e se pensarmos pelo lado de que existe, na mesma proporção, um potencial imenso guardado em nós? Se permita experimentar, fazer o que gosta e também errar. Afinal, são com os tombos que a gente aprende a se levantar. :)

https://inspirarte.art.br/Content/assets/images/coluna/Coluna-Gabi-Tozati/6.png

 

Siga o meu perfil no Inspirarte para ver mais inspirações aqui.

Olá! Meu nome é Gabi Tozati e sou ilustradora freelancer. Minha área de atuação dentro do mercado de ilustração está voltada majoritariamente para projetos editoriais, didáticos infantil/infanto-juvenil e design de personagens. Quando vou falar sobre minha jornada no mundo da arte e como estabeleci minha “marca”, é quase impossível deixar de fora tudo aquilo que me inspirou e que me impulsionou a tentar. Esses pontos foram totalmente cruciais para mim, já que me fizeram refletir, desde muito cedo, o porquê de eu ser tão atraída por histórias como Turma da Mônica ou desenhos animados como Os Padrinhos Mágicos, Pokémon ou Pucca.



Comentários:

Para comentar você precisa estar logado.

sara silva 03/07/2020 19:18:27

Incrível! Muito obrigado pelo texto e pelo carinho Gabi sz